19 de dez de 2014

Entrevista com o PRIMAL AGE - Poder destruidor francês a conquistar a América do Sul


Por Marcos “Big Daddy” Garcia



Em termos da cena underground do Hardcore, um dos nomes mais impressionantes e trovejantes é o do quarteto francês PRIMAL AGE. Formado por Didier (vocais), Misty (guitarras), Dimitri (baixo, backing vocals) e Mehdi (bateria), com dois álbuns (“A Hell Romance” de 2007, e “The Gearwheels of Time” de 2010), e desencadeando a violência sonora em muitas turnês por todo o mundo, agora eles estão vindo para a América do Sul para uma excursão massiva com o CONFRONTO.

Graças à ajuda de Felipe Chehuan, pudemos entrevistar Dimitri, baixista e backing vocals do PRIMAL AGE, para conhecer mais sobre a banda, e o que podemos esperar desses shows, e também sobre sua história, conquistas e lutas.


BD: Antes de tudo, Dimitri, é um prazer conhecê-lo, e agradeço muito por esta entrevista. Primeiro de tudo, nos conte um pouco da história do PRIMAL AGE, e aproveitando, o grupo nasceu em 1997, quase 20 anos atrás, mas só possui dois álbuns, então, qual o motivo para terem tão poucos? Óbvio que vocês têm outros lançamentos, como Splits, mas somente dois discos...

Didier
Dimitri: Antes de tudo, obrigado por esta entrevista e a Felipe (Nota do tradutor: Felipe Chehuan, do CONFRONTO) por fazer a ligação entre nós. 

Na verdade, começamos em 1995, mas mudamos o nome da banda depois, mas estamos na estrada por 20 anos. Primeiro, lançamos um MCD chamado "A Light to Purify". É verdade que não fazemos muitos álbuns. Tínhamos um projeto paralelo que se tornou a banda principal entre 2000 e 2005, chamado ABSONE (um projeto Straight Edge vegano) com os mesmos membros do PRIMAL AGE. Encontramos o CONFRONTO pela primeira vez justamente com o ABSONE na Alemanha (no Hellfire Fest de 2003) e outra banda lendária sul americana, o NUEVA ETICA ou o POINT OF NO RETURN no Hellfire de 2002, também com o ABSONE.

Estamos lançando novas músicas em breve para um EP de quatro canções, mas sempre sem ser para um álbum completo.


BD: Uma característica contundente sobre o trabalho musical PRIMAL AGE é que, mesmo depois de tantos anos, sua música continua furiosa e abrasiva, ganhando toques modernos com a passagem do tempo. Vocês acreditam que a evolução deve ser uma constante para o trabalho de uma banda? Em alguns casos, existem bandas que preferem ficar no passado.

Dimitri: Sempre fizemos a música que vem direto do coração, sem nenhuma consideração por modismos. Sempre tocamos na cena Hardcore da Europa no passado, e agora nos sentimos melhor tocando na cena Metal, pois o Beatdown parece o estilo a ser feito. Mas não é para nós, e não mudaremos nosso direcionamento por este tipo de motivo. E ficamos sempre surpresos quando tocamos em festivais onde todos possuem cabelos compridos e não nos conhecem (risos).


Misty
BD: Ainda falando sobre sua música, estes aspectos modernos dos quais falamos acima são devido às novas influências que adquiriram ou às mudanças de formação na banda?

Dimitri: Ambos. Quero dizer, alguns membros saíram e todos ouvimos muitos tipos de música, então... 20 anos é um período longo, e não somos os mesmos que fomos quando tínhamos 20 anos de idade. Até mesmo os estúdios estão muito diferentes em número de equipamentos. Em nossas primeiras gravações, usamos sistemas analógicos, com poucas possibilidades. O som agora é grandioso para cada banda. Quando você ouve os primeiros grupos de Metal ou Hardcore que amamos, a diferença é grande também.


BD: Como vocês vêem seus trabalhos antigos, como o EP "The Light to Purify" de 1999 e "The Gearwheels of Time" de 2010 sob a luz da atualidade? E podem nos contar alguma coisa de interessante daquela época, em termos de dificuldades e aventuras?

Dimitri: Gostamos de cada um deles por motivos diferentes. "A Light to Purify" foi nosso primeiro, que nos tornou conhecidos na Europa. "A Hell Romance" foi o primeiro que fizemos quando voltamos do ABSONE, e nossa volta ao nosso país, já que comumente tocávamos fora da França com este projeto. Foi uma época bem difícil e sentimos muita pressão: será que o público irá gostar? Renascimento ou morte? 

Em "Gearwheels of Time", tivemos um grande momento na banda, muitos shows, um grande e pacífico momento no estúdio, como em feriados. Tivemos todo tempo que precisávamos para fazer as músicas. Com "Kill a Theory" (um Split), tivemos um ótimo momento quando tocamos no Japão com a banda de lá com quem dividimos o Split (CHERISH), e na América do Sul com o MOSTO MALTA (sim, lembramos disso).


BD: Vimos em sua página oficial no Facebook que vocês fizeram alguns shows no Japão ano passado. Como foram estes cinco shows, e qual a recepção do público japonês a sua música? E onde eles ocorreram?

Dimitri
Dimitri: Fizemos apenas 5 shows, pois não poderíamos ficar por muito tempo e não haviam shows interessantes durante a semana. Tocamos mais em Tóquio, claro, mas também do outro lado, em Niigata. Queríamos tocar em mais cidades, mas o custo de logística era imenso. E as pessoas que encontramos no Japão eram incríveis, tão amigas. Nunca esqueceremos esta excursão, não tenham dúvidas!


BD: Bem, temos algumas perguntas sobre o momento atual: seu novo lançamento é um Split com as bandas MOSTO MALTA (da Argentina) e CHERISH (do Japão), o segundo volume de "Kill a Theory", que também será lançado em alguns países da América do Sul, como Brasil e Argentina. Como se sentem em dividir um trabalho com estas bandas?

Dimitri: Estamos muito contentes com todo este projeto. Um álbum era uma opção, mas escolhemos fazer um Split com bandas que poderíamos tocar em seus países. Foi muito especial tocar no Japão com o CHERISH, e faremos o mesmo nesta excursão pelo Brasil, pois no início pretendíamos ir até a Argentina também, mas é muito caro. Nos sentimos bem com o pessoal da América do Sul. Se não for no Norte, encontramos pessoas muito gentis durante nossa primeira tour no México, então, na próxima, quem sabe se não vamos até a Argentina.

Nossos discos são bem distribuídos pela Seven Eight Life do Brasil, Vegan Records da Argentina, e você pode encontrar o Split CD no Chile, Peru e Paraguai também.


BD: Esta pergunta leva a outra: o PRIMAL AGE está vindo para uma turnê na América do Sul. Então, podem nos contar todos os detalhes? Quantas datas e em quais países vocês irão tocar? E quais serão as bandas? Espero que o CONFRONTO esteja com vocês, e que um seja no Rio de Janeiro...

Dimitri: Não temos todos os detalhes ainda, mas o que posso dizer é que tocaremos apenas no Brasil dessa vez. E esperamos dividir shows com o CONFRONTO, uma banda que temos ouvido por muitos anos.

Mehdi
A Tomarock Booking e a Liga HC nos ajudaram com esta tour com Luciano, Rafael da Seven Eight Life, Felipe do CONFRONTO, Rogério do PAURA, e pode notar que estes serão os shows:

27/02 @ RIO DE JANEIRO com CONFRONTO, MAIEUTTICA, DUOH9, CERVICAL
28/02 @ VILA VELHA
01/03 @ CAMPOS DOS GOYTACAZES 
02/03 @ SÃO PAULO

Não sabemos quais bandas tocarão conosco, mas esperamos que sejam PAURA, PURITAN MOSH, XLOST IN HATEX, WORST, CLEAR VIEW, AGRESSÃO VERBAL... Ou, por que não o lendário SEPULTURA? (risos)


BD: Esta é muito importante: desde os primórdios do Hardcore, atitude em protestar contra o sistema, e a criação de formas de tocar e gravar são conhecidas, mas ao mesmo tempo, o PRIMAL AGE tem esta atitude, e é conhecido por nós devido à sua visão política, e suas apologias ao vegetarianismo e também pelos direitos dos animais. E muitos, mesmo estando na cena, não entendem o motivo, o porquê de ser vegetariano e proteger animais, ou mesmo os temas políticos em um mundo cheio de apatia. Por favor, conte-nos sobre isso, e espaço não é problema.

Dimitri: Todos os membros do PRIMAL AGE são vegetarianos, uma coisa muito importante para a banda desde o início. A indústria alimentícia é tão grandiosa quando insana para as futuras gerações. Na Europa, comer animais é algo que cresce a cada década. Muitas pessoas pensam que não podemos viver sem comer carne. A América do Sul produz o alimento para os animais da Europa com soja transgênica de Monsanto, pois somos incapazes de alimentá-los com nossos campos. E isso causa uma enorme poluição também. Mas é difícil fazer com que as pessoas entendam isso, pois nossos governantes fazem o papel em promover isso tudo. A indústria alimentícia, produtores de merdas químicas, ministros da saúde... Todos estão juntos nisso. 

Existem tantos lucros por trás disso que nossa luta parece estar perdida, mas não podemos ver toda esta situação sem dizer nada.


BD: Novamente falando da tour pela América do Sul, o que esperam de nós? É claro que somos conhecidos como os maiores maníacos em shows, mas quais são suas grandes expectativas?

Dimitri: Sabemos que as pessoas apreciam muito os shows no Brasil, o que é uma boa razão para nós irmos. Espero que vivamos grandes momentos no palco com grandes bandas, de ver as pessoas alegres por meio da música.

Primal Age

BD: E após a tour? Vocês têm mais planos para trabalhos com o PRIMAL AGE depois da excursão para um futuro próximo?

Dimitri: Esperamos entrar no estúdio após a tour. Temos novas canções que esperamos estarem em um vinil.


BD: Agradecemos profundamente pela entrevista. O espaço é de vocês para sua mensagem aos seus fãs.

Dimitri: retorno seu agradecimento, e apreciamos muito sua entrevista. É uma grande oportunidade para nós expressarmos antes de chegar e encontrar pessoas que estão tão longe de nós. Esse é o motivo principal para nós, após todos estes anos, estarmos vivos na música.

Esperamos ver muitas pessoas durante e após os shows.

Mantenham contato conosco em nosso site:



Veja o vídeo para "While Real Problems Are Hidden":




Nota: queremos agradecer ao PRIMAL AGE por nos conceder esta entrevista, e a Felipe Chehuan (do CONFRONTO) por torná-la possível.

Note: we'd like to thank a lot to PRIMAL AGE for this interview, and to Felipe Chehuan (from CONFRONTO) for making it possible.

17 de dez de 2014

A Red Nightmare: disponibilizando site, loja e novo merchandise





O paraense A RED NIGHTMARE está com uma série de novidades para este final de ano. A banda acaba de lançar seu novo site e novo merchandise.

No site, além de conferir informações pertinentes à banda, uma loja virtual foi lançada. Todo o material oficial do grupo está disponível para a venda, inclusive a nova estampa de camiseta baseada na capa do recém-lançado álbum homônimo.

Para conferir o site e a loja virtual, visite o link:


Lançado neste ano, o álbum ‘A Red Nightmare’ foi gravado em dois estúdios: The Coven e Ná Music. A produção ficou nas mãos do A RED NIGHTMARE e o renomado produtor paulista Adair Daufembach assinou a mixagem e masterização em seu estúdio.

A arte da capa ficou por conta do artista Gustavo Sazes (Morbid Angel, Arch Enemy, Firewind, Kamelot, Manowar, Spiritual Beggars, Dream Evil, Sodom, entre outros).



Sites relacionados:



Fonte: Metal Media

NervoChaos: agradecimento pela turnê e aviso aos produtores e público





"Gostaríamos de agradecer a todos que estiveram presentes nos shows que fizemos pelo Brasil e pela América do Sul. Foi uma turnê muito foda ao lado do BLOOD RED THRONE e do ENTHRONED. No total, foram 10 shows, passando pelo Brasil, Colômbia, Peru, Equador e Chile. Um agradecimento especial ao público que fez a sua parte tornando a maioria destes shows inesquecíveis. Agradecemos também aos produtores e a todas as bandas que dividimos o palco.

Sobre os festivais ZOOMBIE RITUAL FESTIVAL (SC)/MEGA METAL FESTIVAL (ES)

Aos nossos amigos e fãs, gostaríamos de esclarecer alguns pontos para, assim, evitar que ocorram mal entendidos.


Primeiramente gostaríamos de deixar bem claro que o público presente nos festivais (seja em SC ou no ES) fizeram os eventos como um todo acontecerem e somos eternamente gratos pela excelente recepção que tivemos.

Fizemos um acordo para tocar nos festivais Zoombie Ritual (em SC) e no Mega Metal (no ES). Estas datas fizeram parte da turnê que fizemos junto com as bandas BLOOD RED THRONE e ENTHRONED. A turnê foi composta por 10 datas que passaram pelo Brasil e pela América do Sul (Colômbia, Peru, Equador e Chile).

Todas as negociações desta turnê foram feitas pelo baterista do NERVOCHAOS, Edu Lane, via e-mail e Facebook, ou seja, há uma vasta documentação escrita dos acordos selados entre as partes (bandas e produtores) e das condições acordadas para a realização dos shows.

Durante esta turnê acabamos descobrindo que alguns “produtores” não honram com as suas obrigações, deixando de cumprir cláusulas combinadas e também deixando de lado obrigações mínimas para a boa realização de um evento.

Há um bom tempo percebemos que a música extrema (em todas as suas vertentes) tenta se profissionalizar, tanto aqui no Brasil, como na América do Sul. Infelizmente estão infiltradas na nossa cena aventureiros, caloteiros, derrotistas (e derrotados), pseudo-produtores, pessoas de má fé, mentirosos, aproveitadores, corruptos e muito mais.

Claro que há muita gente querendo trabalhar sério e muita gente trabalhando sério também; por isso jamais devemos generalizar o assunto. O que veio à tona e ficou claro foi:

• "Produtor" que não paga as bandas de um evento lotado
• "Produtor" que não honra com condições mínimas e essenciais para bandas e publico
• "Produtor" que some do evento, mente e não tem comprometimento algum com a cena ou as bandas
• "Tour manager" que some com dinheiro da banda

Temos acompanhado os problemas enfrentados por diversas bandas, nacionais e internacionais e acredito que chegou a hora de colocarmos um ponto final nisso tudo ou ao menos minimizar este tipo de problema em nossa cena.

Vamos tomar vergonha na cara e lutar em prol de uma cena melhor. Os "procedimentos", as "regras", não estão escritos, mas todos já conhecem. A pratica e o bom senso é muito maior do que uma “regra” escrita. Corram atrás dos seus direitos e por isso achamos importante compartilhar informações sobre esses parasitas que infestam nossa cena.

As bandas nacionais devem começar a ter mais postura e deixar de assumir riscos deste tipo para assim tentarmos evitar picaretas de plantão. Bandas e público tem a obrigação de dar as costas para esses mercenários infiltrados em nossa cena.

Tudo o que vimos já é mais do que suficiente para riscar da lista para sempre estas pessoas. Nem bandas e nem público querem uma administração dessas em nossa cena, nunca mais. Não devemos apoiar ou dar credito para os mesmos “produtores” que sempre fazem as mesmas coisas, todos os anos.

Art. 171 do Código Penal: obter, para si ou para outrem, vantagem ilícita, em prejuízo alheio, induzindo ou mantendo alguém em erro, mediante artifício ardil, ou qualquer outro meio fraudulento.

Quando uma pessoa sacaneia os outros, vai me sacanear também. Se já deu calote nos outros, irá me dar calote também. Pessoas que sempre têm uma desculpa para tudo, pessoas que estão sempre "certas", pessoas que não querem mudar e que não mudam; esse tipo de gente devem ser evitada. Isso queima a cena e está claro que tanto as bandas, como o público estão dando um recado.

Apesar de todos os obstáculos continuaremos trabalhando com total dedicação e amor ao METAL e a nossa cena. Estamos movendo ações contra aqueles que pisaram na bola conosco e convidamos a todos os interessados a se juntarem a nós e juntos limparmos a cena.

Aprendemos a lição e certamente vamos encarar as coisas de outra forma a partir de já."


Contato para shows e mercandise: nervo666@hotmail.com

Sites Relacionados:

Fonte: Metal Media

Hibria: topo da pré-venda de Heavy Metal no Japão





A edição de dez anos do lançamento de ‘Defying The Rules’ no Japão está no topo da lista de mais vendidos na seção de pré-venda da loja HMV, maior site especializado em comércio eletrônico do Japão.

Como noticiado esta versão é exclusiva para o mercado japonês e foi encomendada pela gravadora do grupo na Terra do Sol Nascente: King Records.


O disco foi regravado em sua totalidade pela atual formação do HIBRIA, que conta com Iuri Sanson nos vocais, Abel Camargo e Renato Osorio nas guitarras, Benhur Lima no baixo e Eduardo Baldo na bateria.

A edição comemorativa de ‘Defying The Rules’ será lançada no dia 24 de outubro no Japão. A produção ficou a cargo do guitarrista Renato Osório e a mix por Benhur Lima, assim como no último álbum da banda, “Silent Revenge”. A masterização ficou nas mãos do renomado produtor Adair Daufembach. Já a capa ficou por conta de Jugo Iduhara (também conhecido como Crim-son 15).


O HIBRIA acaba de lançar um lyric video para o clássico ‘Steel Lord On Wheels’. Esta já é a nova versão. O vídeo foi dirigido e editado por Dudu Oliveira da Like Id (http://goo.gl/6wq4it), assista:


Contato para shows: hibria@hibria.com

Sites relacionados:



Fonte: Metal Media

Acefalia: novo álbum está disponível, ouça uma música





O catarinense ACEFALIA acaba de lançar seu segundo álbum, ‘Estupro da Essência Humana’, onde volta a mostrar altas doses de seu Death Metal impiedoso e extremamente ácido cantado em português.

Lançado de forma independente, ‘Estupro da Essência Humana’, sucede diretamente o bem recebido debut autointitulado de 2009. O novo trabalho conta com nove músicas. Confira a música ‘Drogas’:


O disco foi gravado no Audio Gobblin e produzido pela banda e Fabio Gorresen (Flesh Grinder/Zoombie CookBook), mixagem e masterização por Fabio Gorresen, Arte Gráfica por Fabio Gorresen, ilustração por Jean Carlos Back (BlackInk Tattoo).


Formada em 2006 na cidade de Joinville, a banda ACEFALIA pratica um Death Metal direto, cru, com letras em português que mostram a cruel realidade mundana. Riffs pesados e tensos, bateria rápida, vocal rasgado e baixo coeso.


Sites relacionados:



Fonte: Metal Media

Sioux 66: cumprindo a meta imposta para 2014



Foto: Thy Zancheta

A banda SIOUX 66 fará o último show do ano no próximo sábado (20) no Manifesto Bar, em São Paulo, cumprindo sua meta de passar 2014 nos palcos. Segundo o vocalista Igor Godoi, que manifestou este desejo no início do ano para a sequência dos shows em promoção ao álbum de estreia, "Diante Do Inferno" (2013), a banda encontrou algumas dificuldades, mas passou boa parte do tempo nos palcos. "Tivemos algumas decepções, com alguns cancelamentos e imprevistos, mas o objetivo foi atingido. O que mais queremos é tocar e mostrar ao público o nosso som. Além disso, quanto mais shows, mais a banda se sente unida e coesa. Não há evolução sem esta pegada de palco", analisa.

Igor Godoi (vocal), Fernando Mika e Bento Mello (guitarras), Fabio Bonnies (baixo) e Gabriel Haddad (bateria) apresentarão um repertório focado em "Diante Do Inferno", com destaque para os três singles/videoclipes: "Porcos", "Você Não Pode Me Salvar" e "Outro Lado". "Nós iniciamos o processo de composição do próximo disco, mas estamos sempre aptos a tocar. Eu falei no início do ano que nosso desejo era não sair dos palcos e então que isto se repita em 2015", conclui o vocalista.

O evento de encerramento do ano do SIOUX 66 ainda contará com a presença do Rammstein Cover Brasil e Talibäns, fazendo um set focado no álbum do Pride & Glory, lançado há vinte anos. Além disso, a discotecagem especial ficará nas mãos dos DJs Edu Rox (Lokaos Rock Show) e Danny Poison.


Serviço:
Sioux 66, Rammstein Cover Brasil e Talibäns (Zakk Wylde Tribute/Pride & Glory)
Data: sábado, 20 de dezembro
Local: Manifesto Bar
Endereço: Rua Iguatemi, 36, Itaim Bibi – São Paulo/SP
Fone: (11) 3168-9595
Abertura da casa: 22h
Entrada: Homem R$ 25 / Mulher R$ 20
Cartões: Visa, Mastercard e Dinners
Débito: Visa Electron, Maestro, Rede Shop
Censura: 16 anos
Acesso a deficientes / ar condicionado
Wi-fi: a casa possui acesso a internet sem fio
Manifesto Bar – www.manifestobar.com.br

Contatos:



V Project revive tempos de glória da Woodstock Discos



Foto: Ricardo Ferreira

Após ter seu nome em alta na mídia através do documentário "Woodstock - Mais Que Uma Loja...", produzido pela BDT Filmes e dirigido pelo jornalista Wladimyr Cruz, a lendária loja Woodstock Discos pôde novamente reviver um pouco dos tempos de glória com a realização do pocket show do V Project no sábado (13). O baterista Sergio Facci explicou que para fazer o lançamento do EP com uma apresentação especial foi em consideração ao proprietário da loja, Walcir Chalas. "Ele sempre apoiou tanto a minha ex-banda, Vodu, como todas de Metal. Eu nunca tinha tocado lá, mas esta foi uma forma de relembrar daquelas muitas tardes de sábado que passamos lá", diz Facci.


Na ocasião, o V Project contou com músicos convidados e apresentou as faixas regravadas em seu EP de estreia, com "Final Conflict" e "Let Me Live (I Don’t Wanna Die)" (Vodu), "When 2 Are 1" e "Darkness" (Volkana), "Living For The Night" (Viper), além de covers de Iron Maiden, Motörhead e AC/DC. Estiveram ao lado do baterista os guitarristas Val Santos (Toyshop, ex-Viper), José Luis “Xinho” (ex-Vodu), o baixista Artur Silveira (Dressing Rock) e os vocalistas André Góis (Face Of Desaster, ex-Vodu), Cláudia França (ex-Volkana), Marcos "Naza" (ex-Skycrapper) e Flávio Guilherme Maenaka. O baterista Guilherme Martin (Toyshop, Viper, ex-Megaton) também participou da festa, assim como os músicos da banda de Black Metal Watain, que subiram ao palco para saudar os presentes.

Confira o review do show, publicado no site da revista Roadie Crew, em http://www.roadiecrew.com/mtOnlineDetalhe.php?id=459

Facci fala sobre a tarde na Woodstock Discos, veja o vídeo com cenas do show: 


Contato para shows, CDs e merchandising: vvvproject@hotmail.com



Daniele Krauz: Metal com vocal feminino reforçado, banda sobe no palco pela primeira vez





O dia 21 de Dezembro de 2014 ficará arquivado na carreira de Daniele Krauz, será lembrada como a data de estréia nos palcos, no qual apresentará suas composições próprias, além de versões de Nightwish e Bruce Dickinson. O fato marcante vem acompanhado de uma certa euforia, pois a apresentação no festival será ao lado de bandas paranaenses e por ter a oportunidade de fazer em sua cidade natal, Guarapuava-PR. Os músicos são convidados especialmente para esta apresentação.

O final de ano promete ser bem movimentado e fechar com chave de ouro, em breve a banda apresenta o primeiro clipe oficial de “Divine”. Composição esta que vem agradando bastante e sendo sucesso de vendas digitais. Os ajustes finais estão sendo aplicado para estréia mundial, será um clipe muito bonito e cativante, afirma Daniele.

Nascida em Guarapuava, Paraná, Daniele Krauz traz uma bagagem de influências que vão do MPB ao Metal. Seu mais recente trabalho, o EP “Insight”, apresenta quatro composições que fazem uma mistura homogênea entre Metal Progressivo, Gothic, Power e Melódico, tudo atrelado à melodias marcantes. Daniele Krauz é cantora profissional desde 2006, compositora e professora de canto, com graduação em História e especialização em Língua Inglesa e Educação Superior. É proprietária da escola Essencial Ensino, que conta com cursos de Inglês, Espanhol, além de aulas de técnica vocal e instrumentos.

Daniele Krauz gravou as músicas no Estúdio Heaven Kuster entre 15 de Julho a 15 de Agosto de 2014, convidou músicos talentosos para participar de seu projeto em estúdio, porém para shows a configuração pode mudar.

Teaser de "Insight":



Redes Sociais:




Assessoria de Imprensa / Shows

Torture Squad: lançada versão russa de “Esquadrão de Tortura”




O TORTURE SQUAD divulgou o lançamento do mais recente álbum "Esquadrão de Tortura" (2013) na Rússia através da GS Productions em versao digipack com bônus.

O disco está disponível para compra através do site http://gsp-music.com/gsp67

Produzido por Brendan Duffey e Adriano Daga no Norcal Studios, em São Paulo/SP, "Esquadrão de Tortura" é o primeiro álbum conceitual da banda, apresentando uma temática lírica sobre a Ditadura Militar no Brasil, que perdurou no período entre 1965 e 1985. O disco conta também com as participações de Fernanda Lira (Nervosa) e João Gordo (Ratos de Porão).


Links relacionados:




Fonte: Island Press

Reckoning Hour: as dificuldades de uma carreira no metal






Os guitarristas da RECKONING HOUR, Philip Leander e Thiago Tavares, participaram do programa Rock Mania #203 e falaram sobre o início das atividades, como funciona o processo de composição, o significado do nome da banda, influências musicais, o conteúdo lírico das letras, cenário para o rock pesado no Brasil, lançamento e repercussão do EP “Ride of the Fallen” (2013), processo de produção do primeiro álbum de estúdio e mais!

Confira abaixo a entrevista completa e as músicas “Ten Steps”, “Darkness Remains”, “Against the Tide”, “Confront the Storm” e “ A Moment of Defiance”.




Links relacionados:




Fonte: Island Press